02/07/2014 17h04 - Atualizado em 02/07/2014 17h04

ESO apresenta imagem de ninho estelar quase desconhecido

Observatório Europeu do Sul apresentou um até agora pouco conhecido ninho de estrelas jovens que, assim que alcançarem a idade adulta, causarão sua morte

ESO apresenta imagem de ninho estelar quase desconhecido
A nuvem estelar Gum 15: ninho estelar está a cerca de 3 mil anos luz da Terra

Berlim - O Observatório Europeu do Sul (OES/ESO) apresentou a imagem de Gum 15, um até agora pouco conhecido cúmulo de estrelas jovens que, assim que alcançarem a idade adulta, causarão sua morte.

A imagem, explica o observatório em comunicado, foi feita das instalações que tem na Cadeira (Chile), como parte do programa Joias Cósmicas do OES, e mostra essa nuvem estelar situada na constelação de Vela, cerca de 3 mil anos luz da Terra.

Gum 15 é um peculiar exemplo de região HII - grandes nuvens de gás e pó que abrigam explosões de formação estelar e estrelas recém-nascidas - pois, além de teu interessante forma, destaca a bifurcada mancha escura de pó visível no centro desta imagem e algumas frágeis estruturas de reflexão azul que a atravessam.

Por outro lado, o aspecto granulado e irregular dessa nebulosa não é incomum para uma região HII e, novamente, é o resultado das estrelas que contém - jovens, maciças e muito quentes.

As regiões HII têm formas diversas porque a distribuição de estrelas e gás em seu interior é muito irregular.

Segundo o OES, essas nuvens formam alguns dos objetos astronômicos mais espetaculares que se podem observar como, por exemplo, a Nebulosa da Águia - que inclui a formação apelidada "Os pilares da criação" - a grande Nebulosa de Orión e essa menos conhecida Gum 15.

Especialistas do observatório afirmam que uma região HII como essa poderia gerar milhares de estrelas ao longo de milhões de anos.

Essas são as que fazem-na brilhar, determinam sua forma e são as que, finalmente, a destruirão uma vez cheguem à idade adulta, uma etapa na qual as estrelas alcançam tal tamanho que acabarão explodindo como supernovas e dispersando os últimos restos das regiões de HII, deixando só um grupo de estrelas muito jovens.

Joias Cósmicas de OES é uma iniciativa de divulgação que, segundo a própria instituição, "pretende produzir imagens de objetos interessantes, enigmáticos ou visualmente atrativos utilizando telescópios de OES, com um fim educativo e de divulgação".

Via Exame

Voltar para o topo
COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA Facebook Twitter