11/05/2016 09h14 - Atualizado em 11/05/2016 09h55

No dia da votação do impeachment, Dilma é vista caminhando na Alvorada

Presidente abriu mão do passeio de bicicleta, que faz há cerca de um ano. Senado decide nesta quarta se ela deve ser afastada por até 180 dias

No dia da votação do impeachment, Dilma é vista caminhando na Alvorada
A presidente Dilma Rousseff é vista caminhando no Palácio da Alvorada, em Brasília, na manhã desta terça (11) (Foto: Ueslei Marcelino/Reuters)
Créditos: Matéria G1

A presidente Dilma Rousseff abriu mão do passeio de bicicleta e foi vista apenas caminhando pela área do Palácio da Alvorada na manhã desta quarta-feira (11), no dia da votação do impeachment no Senado.

Os passeios de bicicleta da presidente começaram no fim de maio do ano passado. Ela geralmente sai acompanhada de seguranças e vestida de calça, blusa, casaco e tênis próprios para atividades físicas e utiliza capacete e óculos escuros.

Nesta terça (10), véspera da votação no Senado, Dilma pedalou pelas proximidades do Palácio da Alvorada. Ela estava acompanhada de três seguranças e quase não havia pessoas na rua durante o percurso.

A sessão que define a abertura ou não do processo de impedimento da presidente estava prevista para começar às 9h desta quarta. Uma interrupção ocorrerá ao meio-dia. A discussão será retomada às 13h e interrompida novamente às 18h. A sessão deve então ser retomada às 19h e seguir até o final da votação.

Os parlamentares vão votar nesta quarta o parecer do relator da comissão especial do impeachment no Senado, Antonio Anastasia (PSDB-MG), que defende a abertura do processo de afastamento.

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou nesta terça-feira (10) que Anastasia (PSDB-MG) e o advogado-geral da União, ministro José Eduardo Cardozo, devem ser os últimos a falar – por 15 minutos cada um.

Os senadores vão decidir se o Senado abre ou não o processo de impeachment da presidente. Se a maioria simples (metade dos presentes mais um) aprovar a instauração do processo, Dilma será afastada, e o vice Michel Temer assumirá a Presidência da República. Se o parecer for rejeitado, o processo é arquivado.

Nesta segunda, o presidente interino da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP-MA) chegou a anular a votação feita pelos deputados nos dias 15, 16 e 17 de abril, acolhendo pedido feito pelo advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo. O substituto de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) recuou e revogou a própria decisão horas depois.

 

Voltar para o topo
COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA Facebook Twitter