02/05/2016 11h09 - Atualizado em 02/05/2016 11h09

No inverno ficamos mais sonolentos? Saiba mitos e verdades

O inverno acaba de chegar ao Brasil. Com a queda da temperatura, cada um se protege como pode

No inverno ficamos mais sonolentos? Saiba mitos e verdades
imagem reprodução Thinkstock
Créditos: noticias.bol.uol.com.br

O inverno acaba de chegar ao Brasil. Com a queda da temperatura, cada um se protege como pode: além dos casacos e cachecóis, algumas pessoas colocam tapetes e cortinas na casa para aquecer o ambiente, outras espalham baldes de água pelos cômodos para enfrentar o tempo seco. Várias evitam tomar sorvete para não “pegar um resfriado”, e muitas procuram esquentar o corpo bebendo vinho ou outras bebidas alcóolicas. Porém, nem todas essas atitudes realmente funcionam.

 O corpo precisa de mais energia para se aquecer. VERDADE: no inverno, a temperatura externa diminui, mas a interna (do nosso corpo) tem que se manter constante - por volta de 36ºC. Então, consumimos mais energia para manter essa temperatura. "No inverno nosso metabolismo aumenta naturalmente para gerar mais calor, consequentemente necessitamos de mais calorias vindas dos alimentos", aponta José Francisco Daniel, professor de Educação Física da PUC-Campinas

Sentimos mais fome no inverno. VERDADE: "No inverno, como a temperatura é mais baixa, nosso organismo necessita de mais energia proveniente de um maior número de calorias para manter a temperatura corporal", aponta a nutricionista Bruna di Chiara Passos. Ou seja, precisamos comer mais para suprir o gasto adicional que o corpo tem para se manter aquecido. Mas cuidado para não exagerar e não cair em tentações supercalóricas como fondues, quiches, massas, cremes etc.

Ficamos mais tristes no inverno. VERDADE: apesar de cada pessoa reagir de modos e em graus diferentes, a tendência é se sentir um pouco mais "pra baixo" do que o habitual. Isso porque a luz solar influencia nosso humor: sentimos mais energia (e alegria) em tempos mais ensolarados. "Muitos adultos experimentam mudanças súbitas de humor, energia e sono quando a estação muda. E o Transtorno Afetivo Sazonal (TAS) é uma depressão verdadeira, podendo resultar em afastamento da família e amigos", diz Ana Lúcia Innaco de Carvalho, médica do Instituto de Infectologia Emílio Ribas de São Paulo.

Sentimos mais vontade de fazer xixi. VERDADE: quando está frio, a quantidade de água que eliminamos pelo suor e pela respiração é menor. Por isso, urinamos mais, já que é a forma encontrada pelo nosso corpo para manter equilibrado seu nível de água. "Mas ir mais frequentemente ao banheiro para urinar depende também do metabolismo de cada um e da quantidade de líquido ingerido", explica Ana Lúcia Innaco de Carvalho, médica do Instituto de Infectologia Emílio Ribas de São Paulo.

Não é bom fazer cirurgia no inverno. MITO: na verdade, esta é a época ideal, de acordo com os especialistas. Isso porque a incidência dos raios solares é menor, facilitando o uso de cintas e malhas elásticas, geralmente necessárias no pós-operatório. Além disso, segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), as temperaturas mais baixas também resultam em menos edemas (inchaços) e melhoram a cicatrização. Sem contar que, como é um período de férias, isso favorece a recuperação, pois muitos pacientes possuem mais tempo para o repouso recomendado.

Idosos e bebês sentem mais frio. DEPENDE: idosos sentem mais frio, pois têm a pele mais fina e mais problemas de circulação, sendo mais difícil manter o corpo aquecido. Mas bebês não sentem mais frio que adultos. Porém, como eles perdem mais calor, precisam estar protegidos (principalmente mãos, pés e cabeças). Outro cuidado importante com idosos e bebês nessa época tão seca do ano é com a hidratação. "É preciso atenção especial por estarem mais propensos à desidratação", aponta a nutricionista Bruna di Chiara Passos.

Tomar banho muito quente faz mal. VERDADE: banhos muitos quentes e demorados prejudicam a barreira de proteção da pele, deixando-a mais ressecada. "A pele não tem apenas função estética, mas também de proteção contra a perda de água e a entrada de microorganismos", diz Gisele Cristine Teixeira Barbosa, dermatologista da Faculdade de Medicina da USP.

 É mais fácil engordar no inverno. VERDADE: é fácil cair em tentação nesta época do ano, já que aumenta a sensação de fome e a oferta de comida mais calórica é maior - além de termos preguiça de ir à academia. "O hábito de consumir comida quente, cremosa e reconfortante no inverno, pode acarretar num consumo maior de calorias do que a alimentação habitual", aponta a nutricionista Karine Nunes Costa Durães, membro do Comitê Técnico Científico da Associação Paulista de Nutrição.

Sentimos mais dor no inverno. VERDADE: "Realmente é fato que sentimos mais dor no frio, pois nossas terminações nervosas ficam mais sensíveis", explica Gisele Cristine Teixeira Barbosa, dermatologista da Faculdade de Medicina da USP. Além disso, segundo ela, devido à alteração de temperatura e ventos, a pele fica mais sensível e frágil para conseguir se manter saudável. Isso pode deixá-la vermelha ou ressecada nas áreas mais secas da face, como ao redor da boca, laterais do rosto e na região das pálpebras.

É melhor não fazer exercícios físicos no inverno. MITO: "Devemos fazer exercícios físicos sempre. Ele só deve ser evitado, caso o ambiente não seja propício ou a pessoa não esteja bem de saúde, por exemplo", enfatiza José Francisco Daniel, professor de Educação Física da PUC-Campinas. Entretanto, no inverno, o tempo para o corpo se aquecer é maior, já que a temperatura exterior está mais baixa e os músculos ficam mais contraídos. Então é preciso ter mais tempo e cuidado na hora do aquecimento, para diminuir o risco de lesões.

Os problemas respiratórios aumentam. VERDADE: no inverno, as temperaturas ficam cada vez mais baixas e o ar mais seco. E isso cria um ambiente propício para o aparecimento de infecções, sinusite, pneumonia, bronquite etc. Assim, há um aumento da incidência de doenças respiratórias de 30 a 40%, conforme dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

 Não precisamos beber tanta água no inverno. MITO: apesar de não sentirmos tanta sede, é tão importante se hidratar no inverno como no verão. Isso porque a hidratacão é fundamental para manter a temperatura corporal. "Além disso, o ar está mais seco e, por isso, a água vai ajudar muito a repor o líquido perdido pela respiração e pela pele", aponta Gisele Cristine Teixeira Barbosa, dermatologista da Faculdade de Medicina da USP. Por isso, é importante ingerir água (mesmo sem sentir sede) durante todo o dia, além de chás e sucos naturais.

Colocar baldes de água pela casa ajuda a umidificar o ar. MITO: apesar de muitas pessoas terem esse hábito, a verdade é que ele surte pouquíssimo efeito no aumento da umidade do ar, uma vez que a evaporação é lenta. O mais indicado para isso é o uso de umidificadores .

 Vitamina C diminui o risco de gripes e resfriados. MITO: quando ingerimos a quantidade ideal de vitaminas que aumentam nossa imunidade, ficamos mais protegidos. Mas isso não garante que não vamos pegar gripes e resfriados. "Mesmo sabendo que a vitamina C auxilia no fortalecimento do sistema imunológico, promovendo certa resistência a infecções, não há estudos que comprovem que sua ingestão em grandes doses impeça que o vírus da gripe atue", diz a nutricionista Bruna di Chiara Passos.

Não precisamos usar protetor solar no inverno. MITO: mesmo com as temperaturas mais baixas, os raios UVA e UVB continuam agindo e precisamos nos proteger. "O ângulo de incidência dos raios solares muda, mas os raios ultravioletas continuam presentes e a prejudicar a pele", explica Ana Lúcia Innaco de Carvalho, médica do Instituto de Infectologia Emílio Ribas de São Paulo. A recomendação é usar protetor solar de no mínimo FPS 20 diariamente.

Precisamos usar protetor labial no inverno. VERDADE: "Os lábios estão próximos da mucosa da boca e, por isso, possuem pele muito fina. Assim, tanto os extremos das temperaturas quanto o ar seco favorecem antes e com muito mais intensidade o ressecamento dessa região frágil do que a do resto do corpo", explica Gisele Cristine Teixeira Barbosa, dermatologista da Faculdade de Medicina da USP. Mas a manteiga de cacau não ajuda muito, por não tem propriedades hidratantes. O ideal são cremes e protetores labiais com substâncias hidratantes que levam mais água para essa pele e/ou materiais oclusivos que impeçam a saída dessa água

Voltar para o topo
COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA Facebook Twitter