22/11/2013 09h13 - Atualizado em 22/11/2013 11h07

O Ensino Superior nunca esteve tão acessível no Brasil

Conheça algumas opções de financiamento educativo e dê um upgrade na sua carreira

O Ensino Superior nunca esteve tão acessível no Brasil

Não há dúvidas que o conhecimento é o melhor caminho para o desenvolvimento pessoal e profissional do cidadão. Um diploma de ensino superior é um passaporte para melhores postos no mercado de trabalho e salários. Porém, conquistar esse título não é tarefa simples para todo mundo. As vagas nas universidades públicas são escassas perto do contingente de candidatos que poderia chegar ao ensino superior. Nas instituições privadas, as mensalidades são impeditivas para tantos outros.

Mas o sonho de fazer um curso superior não precisa ser adiado, mesmo que o dinheiro para bancar as mensalidades esteja curto. Conheça algumas opções de financiamento educativo:

1. O Programa Universidade Para Todos (ProUni) oferece descontos de 50% a 100% das mensalidades. Para ter direito, é preciso comprovar uma renda familiar de até três salários mínimos por pessoa e alcançar uma boa nota no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Saiba mais em prouniportal.mec.gov.br

2. O Programa de Financiamento Estudantil (Fies) vale apenas para as instituições de ensino cadastradas no projeto. O financiamento pode chegar a 100% e as taxas de juros variam de 3,4% a 9% ao ano. Boa notícia: você começa a pagar o que deve só após a formatura. Informações em sisfiesportal.mec.gov.br

3. O Programa Escola da Família dá o subsídio de 100% do curso para quem concluiu o ensino médio em escola pública, mas funciona só em algumas universidades paulistas. Em troca, os bolsistas desenvolvem trabalhos voluntários com as crianças da comunidade. Veja em escoladafamilia.fde.sp.gov.br

Existem também os programas de Financiamento Privados, que os economistas defendem como alternativa para quem não pode pagar mensalidade, mas sugerem cuidados com juros e pagamentos em dia. Estes programas privados estão cada vez mais numerosos. Além das próprias instituições, bancos e empresas de crédito passaram a atuar nesse mercado. As condições oferecidas nesses casos não são as mesmas condições do Fies – os juros atuais do programa são 3,4% ao ano, os mais baratos do mercado – mas têm atraído clientes.

A maioria dos programas consultados tem juros que variam entre 6% e 7% ao ano. Há programas, no entanto, que cobram percentuais mais altos, de 1,5% ao mês. De resto, os critérios são semelhantes aos do Fies: financiam metade do valor da mensalidade, exigem fiador e os estudantes têm o dobro da duração do curso para quitar a dívida.

Para os economistas, a perspectiva de melhoria salarial e empregatícia para quem possui diploma de ensino superior compensa o investimento. Ressaltam, no entanto, que o estudante deve procurar os programas que oferecem os menores juros e pagar as prestações sempre em dia. “Se a pessoa confia que se tornará um profissional capaz, o investimento vale a pena”, afirma o professor de economia da Universidade Católica de Brasília Rogério Miranda.

 

Voltar para o topo
COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA Facebook Twitter